Cores de Aidê | Site Oficial

Cristiane Fernandes

Cristiane Fernandes, nascida em 30 de setembro de 1986, é a nossa referência no Xequerê, e tem uma longa e rica trajetória na cultura afro-brasileira.

Em 2015, atuou no Grupo de Maracatu Tamboritá, na Ala de Agbe e neste mesmo ano participou do Encontro de Maracatu, na Guarda do Embaú.

Já em 2016, participou de várias oficinas, como a de Maracatu da Nação Porto Rico com a Mestra Joana Cavalcante, Oficina de Maracatu de Baque Virado com Mestre Hugo Leonardo da Nação Leão da Campina e Oficina Baque Virado da Nação Estrela Brilhante de Recife do Mestre Walter, no mesmo período participou de oficina de Maracatu ministrada por Eder o Rocha. Ainda em 2016 integrou o Coletivo iyagbàs com estudos na Cultura Iorubá e Dança de Orixás, Ingressou e ainda participa do Grupo de Maracatu de Baque Virado Arrasta Ilha, em 2016 na Ala de Dança, e nos anos seguintes na ala do Agbe.

Em meados de 2016-2017, iniciou sua participação na Banda de Samba Reggae Cores de Aidê; tocando Caixa e Xequerê. Assim que abriu o Bloco do Cores de Aidê, assumiu a Diretoria do Bloco na Ala de Xequerê.

Em 2017; participou da Oficina de Maracatu com o Batuqueiro Pitoco, da Nação Estrela Brilhante de Recife; Participou da Oficina de Maracatu de Baque Virado com o Mestre Chacon Viana, da Nação Porto Rico; Participou da Oficina de Maracatu de Baque Virado com Mestre Afonso Gomes, da Nação de Maracatu Leão Coroado; no mesmo ano participou da Oficina de Xirê ritmos sagrados realizado por Alexandra Alencar. Faz uma gravação Internacional no Projeto “Playing for Change”, tocando Agbe. Participou do Carnaval da Escola Copa Lord, tocando Agbe. Ministrou uma Oficina de Construção de Xequerê, na Comunidade do Monte Serrat com as integrantes do bloco de Samba Reggae Cores de Aidê; participou de vivências de Capoeira com o grupo Quilombo;

Em 2018 foi para Recife, em uma viagem artística junto com o Grupo de Maracatu Arrasta ilha, para estudos das nações de Maracatu; neste mesmo ano inicia vivências de xequerê na casa de angola, com o projeto território Aidê; em setembro de 2018 participou do evento Alapalá, com vivências, roda de conversa, e oficinas com Mestres da cultura afro, tais como Mestre Chacon Viana, koria konate e Sekouba Oulare, Mestre Tião Carvalho, Contramestre Carlinhos (PE), Mestre Plínio César, entre outros; neste mesmo evento participou de oficinas ministradas pelo Mestre Chacon Viana, com o instrumento percussivo Gonguê.